• 11.ª edição da Rota do Petisco

    Notícias

    11.ª edição da Rota do Petisco

    Ler mais

  • Portugal a Dançar | Workshops

    A não perder

    Portugal a Dançar | Workshops

    Ler mais

  • Semana Europeia da Mobilidade

    Notícias

    Semana Europeia da Mobilidade

    Ler mais

01.06.2021

De construção tradicional em madeira, o barco remonta a 1936 e foi doado graciosamente ao Município de Portimão pela Administração dos Portos de Sines e do Algarve.

O Município de Portimão aceitou recentemente a doação da embarcação “Moira”, feita pela Administração dos Portos de Sines e do Algarve, SA. (APS), com vista à recuperação e manutenção desta ‘enviada’, cuja história se funde com a indústria pesqueira local.

Concorreu para esta decisão autárquica o interesse patrimonial e histórico da “Moira”, de construção tradicional em madeira, e o fato de se tratar de um dos últimos exemplares do género, pelo que constitui um testemunho social e cultural que importa manter e valorizar.

O bom estado de conservação e as poucas transformações que apresenta relativamente ao original, conferem à embarcação um importante ativo turístico e cultural para a cidade e para a região algarvia, não só devido à sua fruição e preservação, como também pelo seu uso em futuras recriações de descarga do peixe, no âmbito do Festival da Sardinha e na criação de mais um ponto de interesse junto ao pontão do Museu de Portimão, local onde será instalada uma doca seca para acostagem e amarração da “Moira”.

O barco esteve ao serviço da APS desde 1969, altura em que foi adquirido à sua anterior proprietária Carmen Simões, por 100$00. Do seu histórico, conta-se o facto de ter sido construído no ano de 1936 em Sesimbra, embora tenha em Portimão, na pesca costeira, pelo menos desde o início da década de 1940 até 1969.

Dados mais concretos referem que foi adquirido em 1941 por José Basto, na altura com a designação “Come Figos”, que o terá registado na capitania do Porto de Portimão. Está registada como embarcação de “pesca costeira” e de “condução de pescarias”, sendo que existe uma planta de corte horizontal desta embarcação, datada de 1955, em que se encontra identificada enquanto “buque a motor”.

Ainda no ano de 1941, o barco é vendido por 2000$00, ao que parece ter sido uma sociedade entre Cristovão de Brito e Carmen Simões. Na altura da aquisição por esta dupla, é solicitada a alteração do registo da embarcação para o nome “Senhora do Carmo”, nome que se manteve até ser adquirida pela Junta Autónoma dos Portos do Barlavento do Algarve em 1969.

De acordo com alguns testemunhos, esta embarcação serviu como enviada de apoio a traineiras e terá realizado várias viagens a Marrocos, na pesca do biqueirão, as quais duravam cerca de uma semana.

Na atualidade, a “Moira” encontra-se em estaleiro, a ser reparada e restaurada, estando igualmente a ser construída a plataforma de acostagem junto ao pontão do Museu de Portimão.