Festival da Sardinha termina mais uma edição registando 50 mil visitantes em 5 dias

O aroma da sardinha assada voltou a invadir a zona ribeirinha de Portimão, na 23.ª edição do Festival da Sardinha

Entre 2 e 6 de agosto passados, Portimão esteve em festa e celebrou, mais uma vez, o seu principal ícone gastronómico. Por toda a cidade, o clima foi de festa e aliado, como manda a tradição, ao aroma da tradicional sardinhada que abriu o apetite de todos os visitantes.


Ao longo de cinco noites de festa e muita animação, onde foi possível degustar a afamada Sardinha assada como manda a tradição, em pão caseiro ou no prato acompanhada com a batata e a salada à Algarvia, passaram pela zona ribeirinha aproximadamente 50 mil visitantes, num recinto com acesso livre, refletindo-se desta forma no sucesso e reconhecimento do festival.

 

A animação foi uma constante na zona ribeirinha, entre o museu de Portimão e a zona entre pontes, com artesanato, doçaria, animação de rua e sonoridades várias, desde o folclore que diariamente animavam o espaço à música tradicional portuguesa no Coreto e no espaço “Sardinha no Pão”, passando ainda pelo teatro.

O evento que este ano atraiu perto de 50 mil visitantes à zona ribeirinha, voltou a associar-se aos restaurantes mais antigos e tradicionais desta zona da cidade, que voltaram a exibir nas entradas dos seus estabelecimentos a insígnia “Aqui há Sardinha!”.
Diariamente os restaurantes oficiais À Ravessa, Casa Bica, Dona Barca, Forte e Feio, O Meco, Retiro do Peixe Assado, Ú Venâncio e Zizá, assim como os restaurantes nas proximidades do festival, e o espaço “Sardinha no Pão”, assegurado pelas associações locais GEJUPCE Portimão – Gil Eanes Juventude Portimonense Clube e Boa Esperança Atlético Clube Portimonense, encheram-se de filas, mostrando a tradição e atratividade que o festival e o ex-libris da cidade mantêm. Os visitantes que, por estes dias, se deslocaram ao Festival da Sardinha, não deixaram assim escapar a oportunidade de degustar a afamada sardinha assada.
Os menos apreciadores deste pitéu aderiram na mesma ao festival, gerando igualmente filas e enchendo o espaço dos petiscos e doces regionais, na zona dos expositores.

Aliás, entre artesanato, petiscos e doçaria regionais, três dezenas de expositores marcaram presença neste evento, trazendo até Portimão o melhor que o artesanato e o sector agroalimentar regionais podem oferecer.

A nível musical, passaram pelo festival da sardinha os artistas Aurea, Reflect, Átoa, Cuca Roseta e João Só, que animaram todos os visitantes no palco principal, com concertos repletos de boa disposição e emoção.

O Festival da Sardinha foi uma organização da Câmara Municipal de Portimão, em parceria com a Associação Turismo de Portimão, a Junta de Freguesia de Portimão, a APS - Administração dos Portos de Sines e a EMARP – Águas e Resíduos de Portimão, com o patrocínio da Malo Clinic, No Solo Água, Socialgar Seguros, Sagres e Delta Cafés, e o apoio do Barlavento - Semanário Regional do Algarve e do Turismo do Algarve. O Festival tem, ainda, como rádio oficial a Alvor FM.